Categoria: Tecnologia

Tecnologia

Supercomputador brasileiro pode ser desligado em outubro por falta de dinheiro

O supercomputador brasileiro Santos Dumont corre risco de ser desativado em outubro por falta de verba, segundo reportagem do G1. É isso o que disse Augusto Gadelha, diretor do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), citando um corte de 44% no orçamento da instituição.

O Santos Dumont é o supercomputador mais potente da América Latina – sua potência é similar à de 10 mil notebooks de ponta ligados simultaneamente. É também o único supercomputador brasileiro que aparece na lista das 500 máquinas mais potentes do mundo.

Inaugurado em janeiro de 2016, custou R$ 60 milhões e atualmente é usado por 350 pessoas em cerca de 100 pesquisas científicas envolvendo doenças como zika, alzheimer e câncer.

De acordo com Gadelha, o supercomputador consome R$ 6 milhões por ano, e o orçamento do LNCC para 2017 é de R$ 9 milhões após os cortes de dinheiro – era para o laboratório receber R$ 16 milhões.

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) diz que trabalha para conseguir repassar os R$ 16 milhões previstos para o LNCC continuar funcionando no ano.

Não é a primeira vez que a falta de recursos coloca em risco o funcionamento do supercomputador brasileiro: o Santos Dumont foi desligado em junho de 2016 pelo mesmo motivo. Além de atrasar o avanço das pesquisas científicas, o desligamento da máquina também pode causar danos ao equipamento.

Conheça o Santos Dumont :

O supercomputador Santos Dumont (SDumont), adquirido junto a empresa francesa ATOS/BULL, está localizado na sede do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), em Petrópolis-RJ, atuando como nó central (Tier-0) do Sistema Nacional de Processamento de Alto Desempenho – SINAPAD.

O SDumont possui capacidade instalada de processamento na ordem de 1,1 Petaflop/s (1,1 x 1015 float-point operations per second), apresentando uma configuração híbrida de nós computacionais, no que se refere à arquitetura de processamento paralelo disponível.

O SDumont possui um total de 18.144 núcleos de CPU, distribuidos em 756 nós computacionais (24 núcleos por nó), dos quais são compostos, na sua maioria, exclusivamente por CPUs com arquitetura multi-core. Há, no entanto, quantidade adicional significativa de nós que, além das mesmas CPUs multi-core, contém tipos de dispositivos com a chamada arquitetura many-core: GPU e MIC. Além disso, o SDumont é dotado de um nó diferenciado, o MESCA2, com número elevado de núcleos (240) e arquitetura de memória compartilhada de grande capacidade (6 Tb em um único espaço de endereçamento). Uma descrição detalhada da configuração dos nós do SDumont é apresentada a seguir.

  • 504 Nós de computação B710 (thin node), onde cada nó possui

    • 2 x CPU Intel Xeon E5-2695v2 Ivy Bridge, 2,4GHZ

    • 24 núcleos (12 por CPU), totalizando de 12.096 núcleos

    • 64GB DDR3 RAM

  • 198 Nós de computação B715 (thin node) com GPUs K40, onde cada nó possui:

    • 2 x CPU Intel Xeon E5-2695v2 Ivy Bridge, 2,4GHZ

    • 24 núcleos (12 por CPU), totalizando de 4.752 núcleos

    • 64GB DDR3 RAM

    • 2 x Nvidia K40 (dispositivo GPU)

  • 54 Nós de computação B715 (thin node) com co-processadores Xeon Phi, onde cada nó possui:

    • 2 x CPU Intel Xeon E5-2695v2 Ivy Bridge, 2,4GHZ

    • 24 núcleos (12 por CPU), totalizando de 1.296 núcleos

    • 64GB DDR3 RAM

    • 2 x Xeon PHI 7120 (dispositivo MIC)

  • 1 Nó de computação MESCA2 com memória compartilhada de grande capacidade (fat node):

    • 16 x CPU Intel Ivy, 2,4GHZ

    • 240 núcleos (15 por CPU)

    • 6 TB de RAM

Os 756 nós do SDumont são interligados por uma rede de interconexão Infiniband FDR, com as seguintes configurações técnicas:

  • 1.944 portas

  • 58Gb/s e 0,7us por porta

  • Banda passante total = 112.752 Gb/s

  • Vazão por porta = 137 milhões de mensagens por segundo

Por fim, o SDumont dispõe de um sistema de arquivos paralelo Lustre, integrado a rede Infiband, com capacidade bruta de armazenamento da ordem de 1,7 PBytes, bem como um sistema de arquivos secundário com capacidade bruta de 640 TBytes.